Curso Bíblico 2017

Toda segunda as 20:00 horas

Menu

Proximos Eventos

História

A Paróquia foi fundada em 1968 pelo nosso Arcebispo Dom Serafim Fernandes de Araújo, em Belo Horizonte, MG. Ela foi confiada à Congregação dos Padres do Trabalho, que trabalha principalmente no meio operário, e comemorou 30 anos de fundação em 1998.

A Paróquia fica na periferia de Belo Horizonte, englobando os bairros Vera Cruz, Saudade, Jonas Veiga e parte do Taquaril.

No ano 1998, a Comunidade Paroquial de Santa Cruz comemorou seus 30 anos de fundação. Em 1968, Dom Serafim Fernandes Araujo, como bispo auxiliar de Belo Horizonte , desmembrou os bairros Vera Cruz, Alto do Vera Cruz, Taquaril, Jonas Veiga e Saudade, da Paróquia de Nossa Senhora da Pompéia e criou a nova Paróquia com o nome de Paróquia de Santa Cruz.

Histórico de cada comunidade 

Histórico da Comunidade do bairro Vera Cruz
Histórico da Comunidade do bairro Saudade
Histórico da Construção da Capela São Miguel Arcanjo
Histórico da Comunidade dos bairros Jonas Veiga-Taquaril

No dia 11 de junho de 1.998, às 18:00h., houve mais uma celebração festiva pelos 30 anos de fundação da Paróquia. Durante a celebração foi lido um resumido histórico de três comunidades da paróquia: Vera Cruz – Saudade – Jonas Veiga e Taquaril.. Estes relatórios foram feitos por várias pessoas de cada uma das três comunidades – falta ainda o histórico sobre o Alto do Vera Cruz, que fazia parte da Paróquia e onde padre Marcelo trabalhava até a sua morte. No relatório da comunidade do Vera Cruz foi só falado do início da Paróquia.

Histórico da Comunidade Vera Cruz

Ao leste de Belo Horizonte, um local distante, fim de mundo, Coréia, assim era considerado este pedaço de terra denominado Vila parque Vera Cruz. Pessoas simples, operários, muitos ferroviários e militares por aqui se aportaram e tinham em comum um sonho: uma igreja de pedra, para que pudessem reunir e juntos louvar a Deus, pois a amizade, o companheirismo, a solidariedade, já fazia desse povo uma igreja viva. Reuniam para rezar, cantar, agradecer, louvar e reuniam para o lazer durante os festejos ao pé da Cruz, carinhosamente denominada por todos :”Cruzeirinho”. E assim foi por muitos anos: Vera Cruz, Alto Vera Cruz, o nosso Alto do Minério, Área, Usina de Freitas, Taquaril, Jonas Veiga, celebravam a Festa de Santa Cruz, dirigidos pelos Freis Capuchinhos, da Paróquia da Pompéia, a qual pertencíamos como paroquianos. Pedidos para que se criasse uma Igreja local, uma nova comunidade eram enviados a Arquidiocese, e nos restava a paciência e a espera, até que chegou o momento oportuno. O Bom Deus enviou-nos Padre Leo, dos Padres do Trabalho, trazido por Dom Serafim, para conhecer o local e este inspirado pelo Espírito Santo, abraça a nova missão: erguer a Paróquia . Junto ao Padre Leo, veio Lamberto Noben, seminarista, também disposto a trabalhar neste recanto pobre de situação financeira, mas povoado por um povo rico de sonhos que os acolheu com amor e assim eles firmaram morada. Nascia a comunidade mãe que já deu origem a duas outras comunidades paroquiais: Nossa Senhora Aparecida – Alto do Vera Cruz e São Gabriel – Taquaril.

Padre Leo, nomeado Vigário da paróquia, batizou-a juntamente com o Bispo e o povo da Paróquia de Santa Cruz. Na pobreza e desprendimento os padres se hospedaram na casa das Irmãs Sacramentinas, à rua Demétrio Ribeiro, 239, numa suite improvisada anexa à Escola Coração Eucarística. Marcou-se (a Diocese junto com os Padres do Trabalho), a posse do primeiro Vigário, Padre Leo Verheyen. E assim no dia 07 de julho de 1968 começou a existir a Paróquia de Santa Cruz. E o povo, com que entusiasmo se reunia para os primeiros preparativos da implantação da Igreja: livro de contribuições, rifas, equipes teatrais, Comissão pró construção da Igreja, equipe de divulgação. A obra se inicia. Trabalho de construção firmado, o local não podia ser outro, em frente a Praça Pedro Lessa, local do Cruzeiro. Contratados os primeiros operários, Sr. João Basílio a frente e outros voluntários, foram muitos que fizeram calos nas mãos como operários, mas alegres iam levantando a desejada Igreja. Enquanto uns carregam tijolos, as mulheres como D. Luzia, D. Alzira, Mariazinha, Maria das Mercês, Mimita, Altair, Lavinia, Ana e outras levavam lanches para reforçar os trabalhadores. Desses tantos colaboraram com mutirões nos fins de semana.

Enquanto as obras caminhavam em ritmo acelerado, nosso pároco iniciava as atividades como pastor. As missas celebradas ora no Coleginho, ora na Escola Vicente Torres, ora no Grupo Júlia Lopes, no Alto do Vera Cruz. A Escola Vicente Torres, algumas vezes serviu de local, para eventos com fins lucrativos pró construção da Igreja, numa concessão do Dr. José Maria Alkimim, entào Secretário do Estado da Educação. Nesta casa aconteceu também a ordenação do seminarista Lamberto, que juntamente com Irmã Rita, Irmã Natallia, Irmã Eulina (em memóriam) movimentaram a Catequese, pastoral de Batismo, Crisma. No galpão do Coleginho aconteceram os primeiros casamentos, batismos, o primeiro Natal.

As celebrações da Eucaristia, a noite, aconteciam nas casas mais pobres, onde a máquina de costura era a mesa do celebrante. Em 1969 chega outro seminarista: Marcelo, irmão do Padre Leo. A ordenação sacerdotal do Padre Marcelo foi celebrada na Escola Vicente Torres com a presença de Dom Serafim e a presença dos pais de padre Leo e padre Marcelo.Estes três belgas, cheios de vida, saudáveis, se misturam com o povo humilde e de mangas arregaçadas, sob a luz do Espírito Santo e o Signo da Cruz de Cristo, levantam um trabalho de base em uma “paróquia-criança” que acaba de nascer. (observação: Retrato do início da paróquia)

Histórico da Comunidade de Saudade: São Miguel Arcanjo

Em 1968 com a chegada dos Padres do Trabalho, foi criada a Paróquia de Santa Cruz, com isso o bairro Saudade passou a fazer parte da referida Paróquia, que antes pertencia à Paróquia de N.S. do Rosário da Pompéia, dos Freis Capuchinhos.

Padre Leo foi o primeiro a chegar a esta comunidade e depois vieram os seminaristas Padre Lamberto e Padre Marcelo. Naquelas época, o Vigário da Pompéia, Frei Paulo Sansoni serviu como cicerone de Padre Leo, no sentido de apresentá-lo a algumas pessoas que tinham uma certa liderança no bairro. Primeiramente eles foram na casa do casal Thiers e Nilda que residiam na Rua Padre Café, esquina da Rua Icó. Em seguida foram até à casa do Sr. Acácio e Dona Geralda.

Depois de feita as esplanações da instalação da nova Paróquia de Santa Cruz, Padre Leo solicitou aos mesmos o apoio de todos no sentido de divulgarem no bairro Saudade junto aos demais moradores de que daquele dia em diante todos deveriam participar das atividades da nova Paróquia.

Thiers e Nilda tinham uma liderança muito grande no bairro onde os mesmos trabalhavam com a catequese das crianças. Thiers muito trabalhou na divulgação da nova Paróquia, instalando som no seu carro e saia pelo bairro pedindo apoio para participarem dos atos litúrgicos na Capela do Cemitério. Sr. Acácio e Dona Geralda eram considerados por todos os moradores, pela vida religiosa e pelos exemplos de fé e dignidade junto à comunidade. As celebrações da Eucaristia eram feitas nas casas e na Capela do Cemitério, sempre aos domingos as 9:30h. e às 17:00h. Para maior conforto e comodidade dos fiéis, foi lançado a Campanha para adquirir os bancos para a Capela e quase todos ajudaram com donativos de acordo com suas posses e em pouco tempo os bancos estavam prontos. Estes bancos continuam servindo até os dias de hoje na mesma Capela.

Padre Marcelo, ainda seminarista, dedicou muito do seu tempo aos moradores do bairro. Trabalhou na Catequese das crianças e dos jovens. A catequese acontecia na Escola Júlia Lopes de Almeida, cedida gentilmente pela Diretora Dona Ormi. Colaboravam com Padre Marcelo: Beto, filho de Dona Mariazinha e Wellerson, filho de Dona Ana. Irmã Natalia dava sustentação na Catequese, orientando aos catequistas e conquistando a todas as crianças e jovens com a sua simpatia.

Não podemos esquecer do padre José Ferreira, quando ainda seminarista dedicou muito do seu tempo na Catequese das crianças. Hoje, padre José ferreira é Diretor dos seminaristas dos Padres do Trabalho, na casa de Formação padre De Man, no bairro Novo Riacho em Contagem – MG.

Padre Lamberto depois de sua ordenação ficou pouco tempo na paróquia, tendo sido transferido para a cidade de Conselheiro Lafaiete – MG, onde continua até hoje, dando assistência a várias localidades daquela região, tendo assumido a Paróquia de São João e é também superior da casa.

Queremos lembrar também que o padre Marcelo, depois de sua ordenação, continuou dando assistência aos moradores do bairro Saudade, junto com padre Leo, celebrando missas na capela do Cemitério e também nas casas, quando era solicitado.

No dia de Finados (02 de novembro) Padre Marcelo e Padre Leo celebravam várias missas dedicadas aos falecidos. Padre Marcelo criou também a procissão da Esperança, saindo da Capela até o Alto do Cruzeiro no Cemitério. Onde era celebrada a Santa Missa. Depois foi criada também a Celebração da Santa missa às segundas feiras às 8:00h. por intenção de todas as almas, cujas celebrações continuam até hoje.

Pedimos licença a todos os moradores do bairro Saudade para citar alguns nomes de pessoas que apoiaram e ajudaram aos Padres do Trabalho quando de suas vindas para a nossa comunidade: Thiers e Nilda; Acácio e Geralda, que já foram citados. Lembramos também de Martinho José Gomes, Ana Inácia, Manoel Marçal, Dona Amélia, Guiomar e Marieta e Dona Maria Luiza.

Quando foi implantado o Dízimo, Dona Maria Luiza foi uma das primeiras pessoas que se dispôs neste trabalho de receber o dízimo de vários paroquianos e continua até hoje no mesmo trabalho, com muita dedicação.

Dona Maria Abranches (em memoriam), esposa do Sr. João Jorge, também deve ser lembrada. Ela também trabalhou no recolhimento do Dízimo e cuidava com muito carinho dos paramentos da Capela, lavando, engomando e passando.

Histórico da Construção da Capela São Miguel Arcanjo – Bairro Saudade

Por iniciativa do Sr. João Jorge, foi criada uma comissão para dar início ao movimento para a construção de uma Capela para o bairro Saudade. A primeira reunião foi realizada na casa de Rosa Maria Fonseca, Rua Taquaril, 60, bairro Saudade, com a presença do Padre Leo, Irmã Helena, Irmã Rita, Acácio e João Jorge.

Nesta reunião, entre outros assuntos, foi escolhido o padroeiro da Capela: São Miguel Arcanjo e Rosa Maria Fonseca se comprometeu em fazer a doação da imagem do padroeiro.

Após pesquisas feitas pelo bairro a procura de um terreno próprio para a construção da capela, descobriram um terreno ideal na Rua André Favaleli, esquina com a Rua Pe. Júlio Maria e Rua Itapura, cujo terreno estava sempre acolhendo pequenos circos e parque de diversões.

Como a comissão ainda não tinha o dinheiro para adquirir o terreno , surgiu então a idéia de solicitar da prefeitura a doação do referido terreno, para isso foi formada uma comissão de algumas pessoas e através da Rosa Maria Fonseca, foi solicitado ao Vereador Márcio Cunha para ser o intermediário junto ao prefeito de Belo Horizonte , Sr. Sérgio Ferrara , tendo o referido projeto sido encaminhado no dia 15 de junho de 1985.

A assinatura definitiva da doação do referido terreno foi no dia 06 de agosto de 1986, pelo prefeito Sérgio Ferrara .

A primeira missa celebrada no local, foi no dia 29 de setembro de 1988 pelo padre Leo , sendo que antes da celebração houve uma pequena procissão em honra a São Miguel Arcanjo.

Antes de dar inicio à construção , vários trabalhos foram feitos com a finalidade de arranjar dinheiro para as obras. Foram realizados bazares, barraquinhas, rifas, leilões, etc. Pessoas diversas trabalharam e se esforçaram muito, mas não podemos deixar de mencionar o nome de Irmã Amália , Ony e Rosa Maria, que muito trabalharam e não mediram esforços para verem realizados os sonhos de muitos moradores de nosso bairro.

Não podemos esquecer também de contribuições para a construção da capela de São Miguel Arcanjo , vindas da Bélgica através de organizações assistências como também de familiares de padre Leo.

Antes de dar início à construção, o “Luizão “candidato a vereador naquela época, mandou suas máquinas para fazer a terraplanagem do terreno, cujo serviço foi feito como doação.

No dia 03 de maio de 1988 iniciou-se a construção, Muitas pessoas trabalharam como voluntários na construção, outros pagavam os salários seja de serventes ou pedreiros; outros ainda ofereciam lanches aos trabalhadores. O mestre de obras, Sr. João Basílio, que já tinha construída a igreja no bairro Vera Cruz, ficou na frente da construção da capela, como colaboração pessoal. E assim todos alegres e felizes tiverem seus sonhos realizados em pouco tempo.

A celebração da Santa Missa para Inauguração da capela de São Miguel foi celebrada pelo nosso Pároco Padre Leo, no dia 29 de setembro de 1990. Neste dia festivo, saiu em procissão da Igreja Matriz do Vera Cruz, com a imagem de São Miguel Arcanjo no carro do Corpo de Bombeiros, sendo recepcionada pela Corporação Musical da Banda da Polícia Militar de Minas Gerais. Após a celebração vários fiéis retiraram as flores que enfeitavam, o andor de São Miguel, levando para suas casas como lembrança ou recordação daquele memorável dia.

Na Capela de São Miguel Arcanjo são celebradas as Missas aos domingos às 9:30h.; às 1as. Sextas feiras de cada mês as 7:30h., e todo dia 29 de cada mês às 7:30h, em honra ao nosso Padroeiro.

Funcionam ainda nesta capela, nas salas: catequese das crianças, aulas de bordados, trabalhos manuais, medicina alternativa, apostolado de oração. Reunião dos Ministros da Eucaristia.

A Capela São Miguel Arcanjo está sempre limpa e acolhedora, graças a dedicação e esforços de Rosa Maria Fonseca, mais conhecida por Dona Rosa, a qual cuida com muito amor e carinho, não deixando faltar os arranjos florais junto ao altar, cuidando também dos paramentos litúrgicos, estando atenta e não deixando faltar nada nas celebrações.

Pelos 30 anos da paróquia de Santa Cruz, nós moradores do Bairro Saudade e que pertencemos a esta Paróquia, só podemos dar graças a Deus pela vida do padre Leo, pelo seu trabalho, dedicação, seriedade e carinho que o mesmo tem dedicado a todos nós.

Histórico da Comunidade Jonas Veiga – Taquarial: São José Operário

A nossa comunidade começa com a construção da Paróquia, participando das missas e também participando dos movimentos para angariar fundos para a construção da igreja.

Nossa pequena comunidade Serra Azul começa, quando Sebastiana convida Maria Joana para rezar o terço em família, e a Socorro foi convidada para ir numa oração da Renovação Carismática e teve a certeza que precisamos lutar para conseguir uma rede de esgoto para uma pessoa doente que tinha na comunidade e que reclamava muito a falta de banheiro. Fomos à Companhia que era autorizada para este serviço. Tinha dia que a gente ficava o dia todo sendo empurrado por assessores da Copasa, mas não desistimos e conseguimos que 18 poços fossem entupidos e a doente e mais 17 famílias tiveram seus banheiros construídos. Iniciamos assim o Grupo de Comunidade Eclesial de Base (CEB) em 1984. Logo em seguida começou também a Catequese na nossa comunidade, porque vimos um grande número de crianças sem catequese. Formamos uma comissão para falar com padre Leo, tendo seu apoio, fomos lutar para o local e com as catequistas formamos este grupo: Maria das Graças, filha de Dona Izaulina, Cezar, Denilson, Pedro, Conceição, Socorro e Aparecida. Com Irmã Rita nos orientando fomos a procura do local da catequese. Fomos à Escola George Ricardo Salum para conversar com a diretora, que imediatamente nos cedeu o local. Com o passar do tempo os pais, começaram a sentir dificuldades em mandar seus filhos e os catequistas resolveram assumir o trabalho na comunidade mesmo. Fomos trabalhar numa casa em construção do Jarbas Pereira. Ficamos alguns meses e depois fomos para a casa do Sr. Zequinha.. Tentamos construir um galpão, mas não deu certo e assim a Catequese continuou na casa do Sr. Pedro Marçal. Sabendo das nossas dificuldades, Sr Romão do bairro Jonas Veiga nos convida a unir as comunidade.

Daí a construção do nosso Centro Comunitário: “São José Operário”. Havia no local um pequeno barracão que no ano 1982 servia para os trabalhos da comunidade, inclusive para a Associação Comunitária e para distribuição dos tiquetes de leite. A gente precisava de um local maior e entramos na Prefeitura com o pedido para liberar o terreno . A comunidade queria construir uma igreja, mas a Prefeitura de Belo Horizonte liberou o terreno para a construção de um Centro Comunitário. Para a construção procuramos recursos com barraquinhas, rei e rainha da pipoca, quadrilhas e varias ajudas da comunidade, com o Padre Leo sempre nos orientando. Foi iniciada a construção, tendo como mestre de obras o Sr. João Basílio. O projeto foi feito pelo vereador Dalton Guimarães. Neste tempo a Irmã Gisela nos ajudou na espiritualidade, nos orientando com Cursos Bíblicos e reflexões bíblicas. Cresceu muito o grupo da CEB. Numa reunião na Igreja do Horto, onde Padre Roque, hoje Bispo, era vigário, ficamos conhecendo Lindalva que é uma grande animadora até hoje no nosso meio. Através dela conhecemos a equipe do CEBI (Centro de Estudos Bíblicos Ecumênico). Aí João Batista nos trouxe mais conhecimentos bíblicos. Foi numa das festas Juninas que conhecemos o Frei Carlos Mestres, que veio nos visitar e a comunidade se reuniu em volta da fogueira para ouvir os “causos “de Frei Carlos Mestres. Também a Irmã Julieta (do CEBI) veio na comunidade, dando um curso sobre a Libertação da Mulher. Passaram aqui também Dazinho, sindicalista (ex-operário da Mina de Morro Velho) Patrus Ananias, Padre Henrique e muitos outros.

Foi em 1988 que a Irmã Amália veio trabalhar na comunidade e nesta época começamos as visitas no Taquaril, bairro nascendo com muitas barracos de plástico, e sem condições de sobre- vivência. Formamos ali também uma comunidade pequena e o Padre Leo veio celebrar várias vezes. Foi feita também uma Via Sacra, na Sexta feira Santa com toda a paróquia até o setor 4 onde fomos recebidos com flores e ramos na entrada do setor.

Em 1990 fomos procurados por 3 Religiosas da Santa Casa que se prontificaram para residir e trabalhar no Taquaril.

Durante este tempo todo haviam celebrações da Eucaristia nas ruas da pequena comunidade e numa destas celebrações esteve presente a mãe do padre Leo que mora na Bélgica.

Não podemos esquecer os 25 anos de sacerdócio do padre Leo. Foi uma festa simples mas feita com muito carinho. A música “Tu me cativaste” ficou na lembrança. Continuando a caminhada, fizemos o curso de Medicina Alternativa (tratamento com plantas e ervas) com Irmã Rosina. O curso teve a duração de um ano. Depois para dar continuação fizemos o curso da Bio-Energia com padre Renato, que trabalho com este método na Nicarágua e outros cursos com seminaristas sacramentinos que moram no bairro São Tomas e trabalham em comunidades carentes e hoje cuidam da saúde de várias pessoas através deste método.

Hoje somos também uma comunidade, pode-se dizer, organizada, pois temos local para reunir, celebrar. Temos catequese, grupo de oração de jovens, grupo de capoeira, curso de artesanato, grupo de mulheres que faz da oração a ação e a Conferência de São Felipe de Nery. Todos trabalham e reúnem no salão comunitário São José Operário.

Imagens da Paróquia Santa Cruz

São três  comunidades paroquias:

Santa Cruz
Matriz, situada no bairro Vera Cruz.
Praça Pedro Lessa,22
Veja como chegar pelo google maps:
https://www.google.com.br/maps/@-19.9120243,-43.8967902,19z 

 

São Miguel Arcanjo
Capela situada no bairro Saudade.

São José Operário- Rua Demergina Maria de Jesus , 23 – Jonas Veiga
Salão comunitário onde a comunidade se reúne para as diversas atividades. Situado no bairro Jonas Veiga, é frequentado pelos moradores do mesmo e do Taquaril, Jonas Veiga II , Jonas Veiga , Saudade

 

 

Saiba mais

Galeria de Fotos

Notícias

Papa-Francisco-AFP2
18 de abril de 2017
Mensagem de Páscoa do Papa Francisco na Bênção Urbi et Orbi

O Papa Francisco deu a tradicional Bênção para a cidade e o mundo, após a…

domingoderamos2
9 de abril de 2017
Missa Domingo de Ramos

Fotos da Celebração Domingo de ramos 2017

logo-baloes
23 de março de 2017
Bispos da Província Eclesiástica de Belo Horizonte divulgam manifesto

Os bispos das (arq) dioceses da Província Eclesiástica de Belo Horizonte divulgam manifesto sobre a…

ajuda
22 de março de 2017
O povo merece respeito

O respeito ao povo deve orientar o processo de reforma da Previdência. É fundamental escutar…