Linha do Tempo – 1968 – 2016

Menu

Linha do Tempo – 1968 – 2016

Primórdios

Foto de frente da igrejaApoiados pelas irmãs sacramentinas de Nossa Senhora, com residência à Rua Demétrio Ribeiro, nº 119, os moradores do bairro Vera Cruz são atendidos na catequese, missas e pequenos encontros.

Havia por parte de muitos o desejo de se tornar comunidade, desmembrando-se da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário de Pompéia, dos Padres Capuchinhos.

1960 – 1967

Fé – ansiedade – expectativa são trabalhos orientados pelos padres da Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Pompéia.

1968

A confirmação de que teremos uma paróquia. Seremos uma nova comunidade.

Frei José Olivieri apresenta a alguns paroquianos o padre que deveria assumir a comunidade. Padre Léo Verheyen começa a interagir com os paroquianos, que já trabalhavam em prol da construção da paróquia.Marcada a data de instalação. Já tendo o local definido, a Praça Pedro Lessa com Rua General Osório, local carinhosamente denominado por todos “Cruzeiro” os trabalhos são intensificados.

As reuniões continuam a acontecer no Educandário Coração Eucarístico, palco dos preparativos e locais das celebrações dominicais e sacramentos. Ali aconteceu o primeiro casamento com registro na paróquia.

A sociedade São Vicente de Paulo institui na comunidade o Conselho Vicentino.

Padre Léo tem ao seu lado o Diácono Lambert Noben, que muito o ajudará no primeiro momento.

07 de Julho, 17 h.

Alegria, euforia, cumplicidade.

Dom Serafim Fernandes de Araújo, Bispo Auxiliar de Belo Horizonte, repassa a Frei Paulo de Castanha, vigário atual da Paróquia da Pompéia o Decreto de instituição da Paróquia de Santa Cruz e a nomeação do Padre Léo Verheyen como pároco, tendo em seqüência a Santa Missa.

Presentes autoridades civis, militares, religiosos e o provincial dos Padres do Trabalho, Padre José Maria de Man.

Fundado o centro de Serviço Social e Educacional dos Padres do Trabalho, com Estatutos Próprios.

Aprovação definitiva da planta e construção da sede da Igreja.

1970 – 1979

Instalação do Ambulatório em caráter provisório, em uma das acomodações do Educandário Coração Eucarístico.

Abertura dos alicerces da sede paroquial.

Iniciam-se os entendimentos para a construção da sede oficial do Centro de Serviço Social

Abertura dos alicerces da sede paroquial.

Ordenação do Padre Marcelo Verheyen, ocasião em que ficamos conhecendo seus pais, Sr. Adriano e D. Anna.

Mudança do ambulatório do Coração Eucarístico para o Alto Vera Cruz, onde funciona hoje o Centro Integrado de Assistência Médica (CIAME) – em atendimento aos mais carentes.

Surge o primeiro grupo de jovens denominado Movimento de Assistência Social e Cultural (MASC) que funcionou por dois anos.

Oficializado a criação do Conselho Pastoral de Santa Cruz.

Início nas dependências das Irmãs Sacramentinas do Clube das Mães

Organizado a partir do coro (pessoas que cantavam durante as missas) o Coral ‘Santa Cruz’.

Inserção do Centro de Serviço Social e Educacional no Conselho Nacional de Seguro Social.

Inicia-se o entendimento para a promoção do Encontro Conjugal no ano seguinte

Criado o Movimento de Oração nas Casas.

Firmando convênio com a Secretaria de Trabalho e Ação Social (SETAS) para novos Cursos Artesanais e outros no Alto do Vera Cruz.

Encerrada as atividades do Ambulatório, inicia-se a luta pelo Posto de Saúde.

Aprovação do convênio com a LBA para o funcionamento dos Cursos de costura, Educação Alimentar e Artesanato.

Inaugurado junto à “Escola Municipal Israel Pinheiro” um anexo denominado Núcleo Comunitário a ser ministrado pelo Centro Social.

Depois de vários entendimentos, é construído o Centro Comunitário São José Operário no Jonas Veiga em termos de comodato.

A Prefeitura Municipal de Belo Horizonte assume a construção do Núcleo Comunitário Municipal (Posto de Saúde) sendo publicada a desapropriação dos lotes (23, 29 e 30) do quarteirão 15, no Parque Vera Cruz, a ser ministrado pelo Centro de Serviço Social.

1980 – 1989

A Prefeitura Municipal instala o Posto de Saúde.

Entra em funcionamento a quadra onde eram realizados pequenos encontros, quadrilha, catequese e o animado futebol da juventude.

Recebemos nesta década a visita pastoral de Dom Arnaldo.

Colocada a cruz oficial na torre.

Implantada na paróquia as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs

Criado o banco do livro.

Com o comodato de uso do terreno, e a certificação de poder erguer a sede do Centro Social, reuniu-se todas as pastorais e movimentos

A paróquia manda murar o Posto de Saúde.

Contrato de comodato com as Irmãs Sacramentinas para instalação de um galpão, a fim de promover o sopão

Primeira edição do Jornalzinho AMOR E CRUZ.

Com alegria agradecemos a Deus pelos vinte e cinco anos de sacerdócio do Padre Léo.

A arquidiocese estabelece a criação das foranias.

Concluída a obra de construção do Centro de Serviço Social, com salas para catequese, biblioteca, salão de encontros e demais instalações.

Apelo aos órgãos públicos competentes para a criação de uma escola polivalente (profissionalizante).

A PMBH assume a construção do Núcleo Comunitário Municipal ( Posto de Saúde) sendo publicada a desapropriação dos lotes ( 23,29 e 30) quarteirão 15 no parque Vera Cruz a ser ministrado pelo Centro de Serviço Social.

1990 – 1999

Depois de varias experiências e tentativas infrutíferas para instalação de uma creche e da transferência de Creche Mãe Mineira surge em março o Movimento Infantil “Criança Feliz”.

A comunidade se torna maior e surge o Conjunto Taquaril, um amplo aglomerado necessitando de assistência permanente.

Padre Marcelo partiu para a Casa do Pai Celeste.

Começam a movimentar-se os Ciclos Bíblicos.

Surge novo grupo de jovens, denominado Juventude Unida Santa Cruz (JUSC).

Opção de encerrar com o movimento das barraquinhas, promovendo-se outras atividades para substituí-las.

Acontece na paróquia a Assembléia Arquidiocesana das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs).

Os vicentinos assumem seriamente o trabalho no Taquaril, visitando e evangelizando os jovens na catequese infantil.

Dom Werner visita o conjunto Taquaril e encaminha Padre João Stasz para ali celebrar, instalando posteriormente a Paróquia de São Gabriel.

No Jonas Veiga, impasse com a Associação Comunitária, quanto à posse e uso do salão; o terreno é da Prefeitura, local de uma futura Praça. O Centro Educacional o assume em comodato.

Concluída a Capela de São Miguel Arcanjo, ela passa a atender a Comunidade da Saudade.

Desmembrada a Paróquia Nossa Senhora Aparecida, constituindo seu vigário, Padre Elias Floriano dos Santos.

Instalado o grupo de convivência “Amar é Viver”, atendendo à Terceira Idade.

Acontece com sucesso a primeira Gincana do Advento, envolvendo todos os movimentos e grupos.

Um belo acontecimento, Natal com as crianças, preparando para a chegada do Novo Milênio.

1990 – 1999

Depois de varias experiências e tentativas infrutíferas para instalação de uma creche e da transferência de Creche Mãe Mineira surge em março o Movimento Infantil “Criança Feliz”.

A comunidade se torna maior e surge o Conjunto Taquaril, um amplo aglomerado necessitando de assistência permanente.

Padre Marcelo partiu para a Casa do Pai Celeste.

Começam a movimentar-se os Ciclos Bíblicos.

Surge novo grupo de jovens, denominado Juventude Unida Santa Cruz (JUSC).

Opção de encerrar com o movimento das barraquinhas, promovendo-se outras atividades para substituí-las.

Acontece na paróquia a Assembléia Arquidiocesana das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs).

Os vicentinos assumem seriamente o trabalho no Taquaril, visitando e evangelizando os jovens na catequese infantil.

Dom Werner visita o conjunto Taquaril e encaminha Padre João Stasz para ali celebrar, instalando posteriormente a Paróquia de São Gabriel.

No Jonas Veiga, impasse com a Associação Comunitária, quanto à posse e uso do salão; o terreno é da Prefeitura, local de uma futura Praça. O Centro Educacional o assume em comodato.

Concluída a Capela de São Miguel Arcanjo, ela passa a atender a Comunidade da Saudade.

Desmembrada a Paróquia Nossa Senhora Aparecida, constituindo seu vigário, Padre Elias Floriano dos Santos.

Instalado o grupo de convivência “Amar é Viver”, atendendo à Terceira Idade.

Acontece com sucesso a primeira Gincana do Advento, envolvendo todos os movimentos e grupos.

Um belo acontecimento, Natal com as crianças, preparando para a chegada do Novo Milênio.

2000 – 2010

Assegurada à comunidade Paroquial de Santa Cruz, o uso e fruto dos terrenos da Igreja, Centro Comunitário e Posto de Saúde, conforme decreto nº 10.309, publicado no DOM de 26/07/2000.

Ocorre pela primeira vez o Casamento Comunitário.

Participação na peregrinação ao Taquaril, junto com a Forania Nossa Senhora da Pompéia e Região Piedade.

Participação nas Missões Diocesanas Paroquiais.

Devido o acúmulo de atividades no Centro Comunitário, aflora a idéia de ampliá-lo, com a construção de um anexo.

Primeiros passos para a implantação da Pastoral da Criança.

Instalação da Casa Madre Tereza, setor Saudade ajudando, encaminhando e apoiando as famílias de jovens e adolescentes carentes (de rua).

Instalação da Pastoral da Pessoa Idosa, tendo como local o anexo do Centro Comunitário.

Visita Pastoral de Arcebispo Metropolitano Dom Walmor Oliveira de Azevedo.

Em convênio com a Escola Superior Dom Helder Câmara, teve início os serviços jurídicos na Capela São Miguel Arcanjo.

Ativado o artesanato no Centro Comunitário.

Com supervisão da PUC/MG foram instalados gabinetes dentários na Capela São Miguel Arcanjo.

Resumindo:

O que aqui fizemos até hoje, não é nada diante do que nos resta fazer.

É necessário que busquemos uma estrutura rica, pluralizada, acolhedora que nos ajude a viver a fé, que ajude o nosso irmão a caminhar rumo ao Pai.

Procurar superar um pouco as nossas limitações e tornar a ser uma Igreja verdadeiramente misericordiosa e participativa.