Transfigurar e não desfigurar – D. Walmor

Menu

Transfigurar e não desfigurar – D. Walmor

transfiguracao

 

É crescente a ladainha de murmurações que apontam para o declínio ético-moral e suas terríveis consequências na sociedade brasileira. Constatar essas decadências, em um quadro de análises pertinentes, com o propósito de buscar saídas e soluções é uma necessidade urgente. Mas, isso pouco ajuda quando os lamentos colorem de modo cinzento e triste a marcha cotidiana da sociedade. A chama da esperança se apaga, mata-se a vida, a baixa autoestima toma conta do povo que perde a capacidade de reagir, importante fator para sair da crise.

Um processo avassalador que compromete a cidadania e atrasa ainda mais a indicação de soluções e novas respostas. O que se vê, infelizmente, é o deprimente jogo da compra de influências, com dinheiro de origem duvidosa, tornando ainda mais submissos aqueles que já não têm credibilidade e força moral. Os projetos e as propostas, até as que tratam das inadiáveis reformas, quando pensados sob a lógica estreita da mesquinharia, surgem acompanhados de suspeitas, pois parecem manter a mesma dinâmica: desconsiderar os mais pobres e manter privilégios. Assim, perdem a força para sustentar uma sociedade justa e fraterna.

Aqueles que deveriam representar o povo se deixam seduzir pelo dinheiro, submetendo-se cegamente a esquemas e propósitos contrários ao bem comum. Negociam os interesses de uma nação inteira, a exemplo da passagem bíblica sobre a venda de José do Egito, como escravo, por seus irmãos. Sem piedade, defendem, votam e adotam procedimentos e legislações que não corrigem os descompassos. Contrariam o que deveria ser o compromisso de quem representa o povo, inviabilizando as dinâmicas de uma cultura que possibilite a construção de um Brasil novo e diferente. Somente uma nação que preze a civilidade, o equilíbrio e seja caracterizada por uma cidadania qualificada será capaz de superar os descalabros da corrupção e a violência, absurdamente crescente.

Mas o processo vicioso é que vem conduzindo a sociedade à interminável ladainha de lamentos e a reações inconsistentes, sem a força inventiva e sem o altruísmo necessários ao surgimento de iniciativas grandes e pequenas, nos âmbitos privados e públicos, com força para dar novos rumos ao Brasil. Desse modo, instala-se um clima do “salve-se quem puder”, que alimenta conflitos, exercícios governamentais medíocres, desempenhos norteados exclusivamente por interesses próprios.

A reação necessária com força para deter os abusos de poder, os golpes, o cala-boca imposto à sociedade por medidas e funcionamentos inadequados à necessária correção de rumos, é muito mais exigente do que apenas garantir eleições. As respostas e saídas para as estruturantes correções que precisam ser feitas estão muito além de quaisquer índices da economia e sua desejada retomada, ou da simples substituição de nomes e de cadeiras nos governos e nas casas legislativas. Nada disso tem a força transformadora que a sociedade brasileira precisa.

As soluções apontadas até agora, as saídas encaminhadas, as prospecções realizadas não apresentarão os resultados desejados enquanto cada cidadão não compreender que as grandes modificações e transformações devem começar na consciência de cada um. As pessoas pedem mudanças, mas não querem mudar. É preciso recordar a fonte de referência anterior aos interesses e seduções que submetem a pessoa ao dinheiro, ao egoísmo e à ganância. Urge chamar a atenção de todos para que compreendam o sentido profundo de sua origem e de seu destino, ou seja: o coração de Deus. Do Criador, o ser humano é imagem e semelhança. A semente de cada indivíduo é divina, de Deus se recebe o dom de viver.

Por Deus se entra na experiência humana da vida com o desafio de transfigurar o humano, adquirindo as feições amorosas e ternas do Deus da Vida. Vive-se para transfigurar o humano, dando a ele, nos gestos, palavras e atitudes, a expressão própria do glorioso e luminoso que está no Divino, de onde se vem e para onde se vai. Um entendimento na contramão da desfiguração crescente e decadente do humano, que reflete no rol das violências, dos roubos, das indiferenças, das incompetências configuradas na administração de processos, em que medíocres comandam, mesquinhos se agarram a lugares, obscurecidos continuam acomodados em sua nulidade, interesseiros e amigos do dinheiro não enxergam novos caminhos.

Assim, a clareza da própria origem divina, com o exercício permanente da consciência afetiva de que Deus é a referência insubstituível para a modulação ético-moral do próprio coração, configurando atitudes cidadãs, é o único ponto de partida possível, caminho e horizonte para transfigurar o ser humano. Quaisquer outras opções resultarão na perda da única fonte inesgotável do amor verdadeiro, no distanciamento do sustento que, em graça e consciência, garante o cumprimento, pelo ser humano, da tarefa de divinizar-se no amor de Deus. Esse é o único caminho para se transfigurar e não se desfigurar.

 

dw_viver_news

 

Artigo – D. Walmor Oliveira de Azevedo  – Arcebispo Metropolitano  de Belo Horizonte
Fonte: www.arquidiocesebh.org.br