Obra de Lucas – Tema 25 – Quem Não Está Com Jesus , Esta Contra Ele.

Menu

Obra de Lucas – Tema 25 – Quem Não Está Com Jesus , Esta Contra Ele.

No caminho de Jesus, e dos cristãos que o seguem, surgem os problemas e os obstáculos. Jesus vai vencendo o poder do demônio,que mantém os homens alienados. Contudo, de onde vem o seu poder? (11,14-23). E de que lado ficam as pessoas: de Jesus ou do demônio? (11,14-26). Quem é de fato abençoado? (11,27-28). Não adianta procurar sinais (11,29-32), porque é somente na fé se pode compreender a ação de Jesus (11,33-36). Pouco a pouco, Jesus vai denunciando a hipocrisia das autoridades, e a oposição também vai crescendo (11,37-54).

De onde vem o poder de Jesus? (11,14-23)

Jesus cura um endemoniado mudo. Naquele tempo também a mudez era causada pelo o demônio. Interessante: qual é o demônio que impede o povo de dizer a sua palavra e manifestar a sua vontade? Alguns, certamente fariseus e doutores da Lei, acusam Jesus de estar aliado a Belzebu, o príncipe dos demônios. Jesus retruca: e os exorcistas judeus, estão aliados a quem? Por outro lado, como é possível que o demônio esteja contra si próprio? Pelo contrário, o poder de Jesus contra os demônios, que causam a injustiça (ver 4,1-13), vem de Deus, e é sinal do Reino de Deus que, através da justiça, cria novas relações entre os homens, construindo a nova sociedade e a nova história. Satanás é “homem forte”, mas Jesus é mais forte do que ele, e o vence, com numa chave-de-braço. E o v. 23 é uma advertência: ou os opositores ficam do lado de Jesus e do Reino de Deus, ou permanecem do lado de Satanás, no reino da injustiça.

Pior do que antes (11,24-26)

Espírito mau é o mesmo que demônio, e o endemoniado era visto como “casa” do demônio. Não adianta expulsar o demônio que aliena. É preciso entregar a “casa”, isto é, entregar a si mesmo, a Jesus, pois do contrário a situação pode ficar pior do que antes. Os que conhecem a Jesus mas recusam o Reino de Deus e a vitória de Jesus sobre o mal que aliena e mata o povo, ficam numa situação pior do que se não o tivessem conhecido. De fato, diante dele e dos sinais de libertação que ele realiza, ou a pessoa fica com ele e se liberta, ou fica contra ele, e assim acaba condenando-se a si própria. É por isso que o encontro com Jesus é decisivo; diante dele nós nos vemos como num espelho e recebemos a suprema chance: a libertação ou a condenação.

A verdadeira benção (11,27-28)

Ao lado das oposições, uma confirmação: uma mulher aprova Jesus com o seu coração de mãe. Para os israelitas o filho sábio é o orgulho e a alegria da mãe (Provérbios 23,25). Trata-se de um elogio à mãe de Jesus, mas este afirma que mais feliz e abençoado ainda é aquele que ouve a palavra de Deus e a põe em prática. Palavra e ação que prolongam o que Jesus diz e faz. É assim que as pessoas se tornam parte da família de Deus.

Não adianta procurar sinais (11,29-32)

No tempo de Jesus as pessoas procuravam sinais do Messias enviado de Deus, e as autoridades pediam que Jesus realizasse um sinal que provasse que ele era de fato o Messias (ver Mateus 12,38). Segundo Lucas, Jesus recusa até mesmo apontar o sinal da ressurreição (ver Mateus 12,40). Em vez disso, afirma que a rainha de Sabá (1 Reis 10,1) e os ninivitas (Jonas 3,4-10) irão condenar os que rejeitam a Jesus. Com efeito, Jesus é mais sábio que o rei Salomão e muito maior do que Jonas, mas as autoridades não lhe dão ouvidos e não se convertem. Preferem continuar servindo aos seus próprios e mesquinhos interesses, em vez de se colocarem a serviço do projeto de Jesus que, através da justiça, constrói nova sociedade e nova história. Assim fazendo, as autoridades confirmam que estão contra Jesus, isto é, do lado de Satanás, que cria o reino da injustiça.

Só a fé compreende Jesus (11,33-36)

No contexto de Lucas, Jesus é a  lâmpada que o Pai enviou para iluminar o caminho dos homens (ver João 1,5; 8,12). Basta ouvir a sua palavra e ver a sua ação para compreender isso. Contudo, as pessoas parecem estar cegas e surdas. Por que? Porque seus olhos ( e ouvidos) não estão sãos, isto é, as pessoas estão comprometidas com os projetos da injustiça, característicos da velha sociedade e da velha história. Mas ainda: eles não querem mudar para não perder seus privilégios e vantagens. Esse é o olho doente, que deixa o corpo todo na escuridão.
Como enxergar que Jesus é a luz? É necessário que o olho esteja são, isto é, que a pessoa esteja comprometida com a luta pela justiça. Então ela compreenderá que Jesus, de fato, é o enviado de Deus para instaurar o Reino de justiça, que responde aos pobres e oprimidos com uma nova historia. Só a fé alicerçada na justiça é capaz de compreender de fato que Jesus é o libertador.

A hipocrisia das autoridades (11,37-54)

Jesus é sempre convidado a jantar na casa de fariseus, e sempre há uma discussão (7,36;11,37;14,1). Agora Jesus ataca a raiz do problema das autoridades religiosas, sejam elas as praticantes (fariseus) ou as teóricas (doutores da Lei). Qual o problema fundamental dessa gente?
Jesus não observa as prescrições da pureza ritual, e o fariseu  nota isso. Jesus mostra que não adianta nada realizar práticas religiosas externas perfeitas, enquanto o interior da pessoa está “cheio de roubo e maldade”, certamente para acumular riquezas. De fato, Jesus mostra que a verdadeira pureza é dar em esmola tudo o que a pessoa possui (v41). As observâncias externas são fáceis e podem ser apenas uma máscara para evitar a verdadeira obediência a Deus, que consiste em praticar a justiça e o amor a Deus (v. 42). Observemos bem a ordem das coisas: primeiro a justiça, depois o amor…
Os doutores da Lei se sentem ofendidos, e Jesus os denuncia ainda mais duramente. Esses especialistas em religião só sabem impor cargas insuportáveis aos outros, cargas que nem mesmo eles carregam. São legítimos herdeiros de seus antepassados: estes matavam os profetas, os doutores constroem as sepulturas. Pior ainda: são especialistas na interpretação das escrituras e têm, portanto, a chave da porta do conhecimento. Mas nem eles entram, nem deixam os outros entrar. Em outras palavras: eles leem as Escrituras mas não as entendem e até atrapalham os que gostariam de entender. Não só estão cegos como acabam cegando os olhos do povo.
E a oposição vai crescendo (11,53-54), até culminar em Jerusalém.

Curso Bíblico – Paróquia de Santa Cruz.

Segunda-Feira 20:00hs.